sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Meu problema com as mulheres #1: Das cantadas que não são cantadas

!!!
Finalmente estou de volta! Só não sei até quando...
Eu ando tendo um terrível lapso de criatividade para posts, como vocês tem observado (ou não) nos últimos tempos. Nem mesmo o show da melhor banda do mundo (Pearl Jam) me incentivou a escrever, o que demonstra a gravidade do problema. E antes que me perguntem... Sim, o show tava muito foda.
Mas eis que eu retorno ao blog após um fato acontecido comigo ontem. Estava no Bambus quando encontro a amiga de uma amiga minha. Eu vi a guria no máximo umas duas vezes na vida, mas acabamos nos reconhecendo. Cumprimentei ela e tudo o mais.
Então, eu sou muito bom com fisionomia, lembro facilmente do rosto das pessoas, mas com nomes eu sou péssimo. Se tu me conhecer na rua uma hora dessas prepare-se, eu vou perguntar teu nome umas cinco vezes. No entanto tem alguns que me marcam por eu achar bonito. Alguns deles: Clarisse (ou Clarissa), Sarah, Paola...
Voltando à menina, eu falei o seguinte pra ela (não foi exatamente assim a conversa... Mas quem se importa?):

-Teu nome é... Paola!
-(cara de surpresa) Sim! As pessoas não costumam lembrar, sempre dizem Paula, ou algo assim...
-Eu não costumo lembrar do nome das pessoas, mas Paola é um nome que eu acho bonito, dai é fácil pra mim.
-Ah...

E o amigo que tava do meu lado fez uma cara tipo "8D" pra mim. Pois é amigos, eu juro que não estava passando uma cantada na moça. Ela era bonita e tudo o mais, mas não fiz por mau e nem tinha segundas intenções. Minha única intenção era ser gentil e simpático com ela, mas acho que não deu certo.
Não sei se ela pensou besteira de mim quando falei isso, mas depois analisei e realmente soou como uma cantada. Esse é o meu problema com mulheres, quando eu tento ser gentil eu falo coisas que soam como trova. E o fato de eu ser homem só piora!
Na mesma noite uma guria veio me pedir cigarro. Eu disse que não tinha, que eu tava fumando um que tinha conseguido com um amigo. Então eu fiz a besteira de falar algumas coisas legais pra ela, como se eu tivesse puxando papo. Talvez seja só paranoia minha, mas vai saber.
Eu não sei passar cantadas, então gurias, quando parecer que eu passei uma não me levem a mau, só estou tentando ser legal. Claro, se estiverem interessadas podem interpretar como uma.


Agora me vou. Até mais queridos. Juro que vou tentar escrever mais.

Ouvindo nada ):

2 comentários:

Carol paulista disse...

"Claro, se estiverem interessadas podem interpretar como uma."
Ri horrores, Hobbitchinho. HAIUHSIUHIEUHEAIUHIHEIHAEIHAESA

Letícia G. disse...

Diário de bordo - 2º dia: aqui estou eu novamente, pra comprovar que eu realmente não tenho mais o que fazer da vida. Nesse post já de início podemos perceber claramente que o nosso querido blogueiro tem um péssimo gosto para nomes. Sou bem mais do nome Letícia.. só pra constar.

(o conteúdo a seguir apresenta alto nível de maturidade e seriedade e pode não ser recomendado para todos os públicos)

Nós mulheres somos vistas pelo macharedo em geral como um objeto para satisfazer seus desejos primitivos, não como um ser pensante que de fato somos, então quando alguém do sexo masculino tenta ser agradável o alerta de MACHO ALFA é acionado e, a partir dai, tudo que escutamos é "blábláblá quero te comer". Aí esquece né.. se era ou não era trova, já nem faz diferença!

(fim do alerta de seriedade, a partir desse ponto você meu caro leitor pode ficar tranquilo que só vem merda)

Resumindo o post, nosso blogueiro falou, se explicou, tentou mostrar que é um cara legal BUUUT finalizou com um #ficaadica "eu não quero, mas se tu quiser eu quero muito e pode ser agora mesmo"

Para finalizar, vou citar uma frase de efeito que uma pessoa muito sábia (da qual manteremos seu anonimato) me mandou no whats essa semana:
"Não é o tamanho da varinha que importa, mas sim a mágica que ela faz"